VER A NOSSA HISTÓRIA
(Clica na imagem)

domingo, 28 de março de 2010

BTT Trilhos do Marco - Percurso puro para roladores...



***Depois do dia anterior termos feito o reconhecimento do percurso definitivo -ou quase- para o nosso passeio a Sanfins, no dia 17, marcamos presença nesta prova organizada pela Associação Amigos do Rio Ovelha e a desenrolar-se na cidade do Marco de Canaveses.

***Inicialmente, nenhum de nós contava estar presente, isto apesar de ter feito a inscrição, mas o Pimenta Saca Saca, a precisar de treinar para os 100 kms da Maratona de Idanha à Nova, em Maio, resolveu efectuar o pagamento da inscrição sem avisar ninguém... Conclusão: à falta de candidatos, não podia deixar uns dos meus parceiros de treino ir sozinho e levantar a Super Mega Taça no final bem como trazer as boas oferendas de qualidade da organização: uma garrafa de vinho verde e um sortido de Doces do Freixo, típicos da região! Isso é que não podia perder Amigos....
***Tempo fresquinho e cinzento pela manhã mas a prometer sol, o que veio a acontecer, mais um dia espectacular, concentração e partida dos Betetistas pelas 09H e pouco no Estádio Municipal Avelino Ferreira Torres.

A elite e pesos pesados do Ecobike, Tó Jó, Jorge Almeida, Santiago, e o Super Atleta dos Sprintveloceteam, Marito, a marcarem também presença, betetistas que estão em super grande forma esta época.

De realçar a companhia de dois colegas da "Casa", Couto, ex-17ª, e Rocha ,da 18ª, amigo do Pimenta.

***Vendo a altimetria do percurso fornecida pela organização, do km 5 ao km 16, ia ser uma subida bastante dura e acentuada, o que se veio a confirmar, feita na maior parte em piso de terra rolante, alguns trilhos pedestres e estrada, com passagens pelo Percurso Pedestre PR1 MCN, Pedras, Moinhos e Aromas de Santiago, mas com a característica de percentagens elevadas em algumas zonas. Como saímos relativamente cedo na frente do pelotão, juntamente com a malta do Ecobike, não apanhando os habituais engarrafamentos (situação a rever em futuras provas pois compensa a perda de tempo desnecessária e confusa em provas mais numerosas), Eu e o Pimenta lá metemos o nosso ritmo e fomos trepando monte acima, contemplando a beleza da paisagem envolvente.

***Já o pessoal do Ecobike se encontrava para a frente - esqueci-me de trazer os elásticos para amarrar a minha Bike a um deles - mas eis senão que vemos o Santiago Beep Beep à nossa frente e denotando algum cansaço: Então Santiago, tá tudo amigo? pensando eu que tinha sido vítima de sabotagem técnica por parte do Jorge Almeida. Resposta: Eh pá, ontem foi dia de tainadas, cabrito ao almoço e à noite uma feijoada à transmontana, hoje não tou no meu melhor... e não tomei o pequeno almoço, tá-me a dar a fraqueza! Olha lá, tenho aqui uma banana na mochila (à falta de leitão assado em barras ou arroz de cabidela em pó...), queres maior? Resposta: não, obrigado amigo, não deve ser preciso. O nosso Amigo Santiago, que só encontraremos depois no fim pois seguimos no nosso ritmo, confidenciou-me que fez mal em não aceitar o reforço pois sentiu-se bastante debilitado até chegar ao 1º abastecimento (laranjas e água somente, não muito positivo). Atenção Chouriços, mais vale uma Banana no bucho que duas na mochila dos outros :)
***Não poderia deixar de realçar durante toda a fase das subidas, até à Serra da Aboboreira, da impressionante etapa do Pimenta "Saca Saca", que manteve sempre um ritmo certinho, quase não desmontando, impressionando-me e pondo-me a pensar em duas coisas: a eficácia comprovada do M150, trazido da Maria da Fonte e que vou ter que arranjar uns preguitos camuflados para futuras provas.... (na foto podem ver lado a lado com o Pimenta, uma Betetista espanhola, que fazia dupla com o seu marido, os dois com os mesmos modelos de bikes, em bom ritmo e que, de modo até curioso, acabaremos por fazer o último terço do percurso em conjunto e na roda deles).

***Do ponto mais alto do Trilho (até ao momento nada de extraordinário em termos de trilhos e singletracks, contudo excelentes marcações do terreno, boas indicações nos cruzamentos e simpatia da malta da organização bem como uma beleza histórica e cultural da zona), foi sempre a descer em velocidade quase furiosa - claro que o Pimenta teve de ir à minha frente para eu poder escolher a melhor trajectória- em larga escala por piso de terra mas a exigir máximos cautelas com alguns regos derivados da chuva) até chegar ao 2º abastecimento, este já mais completo, junto à Ponte do Arco, na freguesia da Folhada (foto ao lado).

Aí , um dos momentos altos do dia. Dois rapazitos começam a estudar de perto a bike do Pimenta, aproximam-se, siderados com tamanho engenhoca, nomeadamente com aquela parte do motor e perguntam eles sobre o amortecedor traseiro: O que é isto amigo???? É o motor dele, digo eu. Ficam mais descansados e quebra-se o mistério....

*** A partir daqui, outra pinga para variar, seguindo-se uns trilhos junto a alguns campos agrícolas, o que deu para animar mais a malta e quebrar a monotonia, vindo a dar a estrada nacional, seguindo-se 2 ou 3 kms até à meta, com novamente uma subida acentuada em asfalto....Uf...Uf!!!

***Na zona da chegada, fruto do nosso empenho e participação, recebemos a Mega Taça da Organização, o que aceitei de bom grado, pelo bom nome colectivo do Bike17Eco claro.

***A parte mais importante do treino: o tacho. Ao mais alto nível, bem servido, anho assado no forno com arroz e batata assada, estava muito bom mesmo. Tirando a parte da bolacha moída do gelado, caiu-me muito bem :)

***Impressões Pessoais:
1. ao nível organizativo, nada a apontar e sim a elogiar, bons acessos, todos os locais da logística estão localizados perto uns dos outros, o que facilita a vida aos Participantes, boa comida, banhos em dois locais diferentes - não nos faltou espaço desta vez!- entrega dos dorsais e brindes impecáveis, etc.....

2. ao nível do percurso propriamente dito, esteve muito abaixo daquilo que eu esperava daquela região, a organização tem matéria prima para escolher percursos com mais qualidade, mais técnicos e mais variados, aí sim, era a cereja em cima do bolo.

***Bem, mais um treininho para a conta pessoal, descoberta de novos trilhos e um salutar convívio entre amigos em dia primaveril.



PS. Apesar dos meus esforços anteriores, continua-se a ignorar o uso do CAPACETE no BTT....


O Atleta do Ano 2009



Download deste Trilho



Fotos Organização

Fotos deste Passeio


domingo, 21 de março de 2010

Pelos Trilhos da Maria da Fonte

Como em 2009 tínhamos apreciado esta prova, claro foi que, marcamos presença novamente este ano. E por coincidência ou não, os representantes do Bike17Eco foram exactamente os mesmos: Eu, o Trepador, o Trilhos, o Fugas e o Vita (que se deixou enganar mais uma vez).
O encontro, como tem sido habitual, foi na casa do Trepador e pelo nevoeiro que se fazia sentir aquela hora, dava-nos uma perspectiva de que as condições climatéricas não iriam ser as mais favoráveis. Agradavelmente isso não se veio a verificar, pois o solzinho lá apareceu e fez-nos ficar bem quentinhos.
O percurso inicial foi igual ao do ano passado, ou seja, logo a subir. Com bastantes participantes e o trilho a estreitar, começaram logo as confusões (o tráfego estava complicado), mas o Trepador lá conseguia manter-se quase sempre em cima da burra e lá passava por entre a multidão (o moço também é esguio).
Com tanta subida e com alguma lama à mistura e como ainda não tínhamos chegado ao abastecimento, começamos a ouvir as reclamações do Trilhos, que ia dizendo: “ Já comia” e “Se fosse a eles punham o abastecimento só no fim”.
Finalmente lá chegamos ao ponto de abastecimento, onde pudemos encher a “blusa”. E que rico abastecimento, que até tinha garrafinhas de “xarope” energético.
O Trilhos como não tinha mochila, deixou os seus bolsos sem ar nenhum.
O Fugas já dizia mal da vida e pela cara dele parecia que tinha feito uma ultra-maratona mas o Vítor não lhe ficava atrás (o moço anda a faltar aos treinos).
Também pudemos desfrutar de algumas descidas técnicas, que é uma das coisas que eu mais aprecio mas agora já não me estico muito nas mesmas, pois depois são as costelas que pagam.
Este ano o local de chegada foi diferente mas a dureza do percurso manteve-se pois subidas não faltaram. Sendo esta a 6ª edição desta prova, pouco temos a apontar como negativo, mas não posso deixar de referir que no local de lavagem só havia uma mangueira, o que é insuficiente para tanta bicla. Outro aspecto menos positivo foi o de termos de tomar banho num balneário tão pequeno e com água fria.

Mas mesmo assim valeu a pena participar mais uma vez nesta prova.

Beijinhos e abraços!
Saca Saca

Download deste Trilho Fotos deste Passeio