Visitas

VER A NOSSA HISTÓRIA
(Clica na imagem)

CROMAS:

Ir para a Página desta CROMA Ir para a Página desta CROMA Ir para a Página desta CROMA

Etiquetas

Etiquetas do BIKE17ECO

Montaria,Capela da Santa Justa e Poço Negro (Serra d´Arga) - Capítulo II

terça-feira, 7 de setembro de 2010



*Eram seis horas da manhã quando saltei fora da cama. Mais uma vez deslocámo-nos até à Serra D’Arga para explorarmos outro trilho e assim fazermos mais um treininho com as mochilas carregadas.Desta vez o Trilhos não pôde vir, pois o treino, mais uma vez, foi combinado num dia de folga dos outros companheiros (isso não se faz). Quem se juntou nesta jornada foi o Fugas, que assim pôde experimentar a sensação de pedalar com uma mochila carregada às costas.

*O início do trilho foi numa pequena localidade do concelho de Viana do Castelo, chamada Montaria, local este que eu já conhecia, pois já lá tinha acampado há alguns anos.
Às nove horas em ponto iniciamos o trilho e o sol prometia dar-nos muito calor mas desta vez, levei o meu Camelbak dentro da mochila porque água é coisa que não me pode faltar.

*Na parte inicial do trilho passamos por alguns caminhos e quelhas (algumas com nomes engraçados) daquela localidade e pouco tempo depois entramos num estradão em terra batida.
Cerca de três quilómetros percorridos apareceu a primeira parede, que nos fez aquecer num instante. O Fugas, como era a primeira vez que pedalava com a mochila, deixou logo ali o croissant que tinha comido ao pequeno-almoço.
Com mais descidas que subidas nesta fase, rapidamente chegamos a outra pequena localidade chamada Meixedo, onde tirámos algumas fotos.
*Depois de passarmos pelas aldeias de Trogal e Arcos, chegamos à aldeia de Fojo, onde paramos para comer. Mesmo à nossa beira estava uma placa de sinalização a dizer directamente que, íamos levar com mais “paredes”, pois esta referia que a partir dali a inclinação era apenas de 17%.
*Já no outro trilho que tínhamos feito na semana passada, constatamos que a serra estava muito queimada e mais uma vez pudemos verificar isso. Infelizmente no nosso país, todos os anos acontecem estes incêndios, que deixam as montanhas com um aspecto desolador. Em algumas das fotos tiradas, podemos ter um contraste daquilo a que me refiro, dum lado do caminho a montanha toda negra e do outro o verde resplandecente da flora.
*Após quatro quilómetros e meio de subida, chegamos à Capela de Santa Justa, onde paramos um pouco à sombra, pois o sol não dava tréguas. Depois de passarmos a aldeia de Cerquido, surgiu mais uma “parede”. Apesar de ser por estrada, não foi fácil, pois a inclinação e o calor que se fazia sentir, não ajudou nada.
Como atletas de alto gabarito que somos, lá ultrapassamos a montanha e ao chegar a Arga de Baixo, mais uma vez, tivemos que fazer uma paragem obrigatória na Taberna do Horácio.
*Ao sair de Arga de Baixo, fizemos mais uma “subidinha” para depois descermos até ao Mosteiro de S. João D’Arga, o qual não tínhamos visitado da outra vez, apesar de lá termos passado perto.
Dali, só nos faltava uma última subida, por um estradão em terra, a qual me custou um pouco a subir, pois a comida no estômago já andava às voltas.
Para terminar o trilho surgiu a parte mais técnica do mesmo, uma calçada a descer com algumas pedras soltas, que fizemos com alguma cautela, pois com a mochila às costas não nos podemos esticar muito.
Depois de ultrapassarmos a referida calçada, entramos novamente num estradão em terra batida que nos levou ao local de partida.
Foi um trilho mais rolante que o outro que tínhamos feito naquela serra mas subidas foi coisa que não faltou, que o diga o Fugas, que já não podia ver a mochila à frente.
Já sentados no relax, o Trepador preparou a mistura bombástica que o Fugas tinha trazido, um pó milagroso com sabor a chocolate. Aquilo até pode ajudar na recuperação muscular mas que sabe mal sabe.
*Para terminar o dia em grande, descemos um pouco a pé por um caminho um bocado manhoso, junto ao rio Âncora, até chegarmos a um local intitulado como Poço Negro. Uma fantástica queda de água com profundidade mais que suficiente para mandar uns pinchos. Foi a cereja no topo do bolo. Depois do calor que apanhamos, aqueles mergulhos souberam maravilhosamente bem. E ainda deu para fazermos uns vídeos subaquáticos engraçados com as nossas megas câmaras digitais.
*Um excelente dia e mais uma página preenchida das nossas vidas, para mais tarde recordar.

Os beijinhos e os abraços da praxe!
Pimenta Saca Saca

Download deste Trilho

Fotos deste Passeio