Visitas

VER A NOSSA HISTÓRIA
(Clica na imagem)

CROMAS:

Ir para a Página desta CROMA Ir para a Página desta CROMA Ir para a Página desta CROMA

Etiquetas

Etiquetas do BIKE17ECO

Mítica Maratona de Portalegre

quinta-feira, 30 de abril de 2009




Pois é malta, no dia 2 de Maio, eu e o Trilhos vamos representar pela primeira vez o Bike17 nesta mítica maratona BTT de Portalegre, de 100KMS, numa área geográfica de Portugal que me fascina particularmente e que vou ter o prazer de descobrir nestes breves dias.

Os treinos de longa distância não têm sido abundantes nos últimos tempos mas o objectivo principal será sem dúvida chegar ao fim, dentro do tempo regulamentar e sem mazelas, desfrutando sempre da paisagem envolvente e do convívio betetista. Por isso e desde que haja tacho nos abastecimentos para o Trilhos não perder a fraqueza, lá chegaremos a bom porto.

Os nossos amigos do Ecobike também não vão faltar à chamada, repetindo a participação do ano anterior, portanto já com alguma experiência, a não ser a grande baixa de peso do Team, o Vitokourov que anda cheio de Salapismo, e desta vez apostam que vão fazer marcação cerrada ao Jorge para este não atrofiar as setas de direcção.

Fica para desenvolvimento futuro a Crónica detalhada desta experiência única. Saudações Betetistas.

O Trepador


P.S. Espero bem localizar o meu tractor-boleia no meio da prova, o que safa é o nosso GPS!

Barcelos e os 5 cumes

quarta-feira, 22 de abril de 2009



Lenda do Galo de Barcelos

Eram 5 os objectivos mas afinal fizemos 6.

Para um último treininho em terreno duro, para a Maratona BTT de Portalegre, eu e o Trepador, juntamente com o J. Almeida do ECOBIKE, fomos até á cidade de Barcelos, para fazer o trilho dos 5 cumes, um trilho com cerca de 85 Kms e que passava pelos 5 cumes da região. Mas como 5, eram poucos acabamos por fazer 6, afinal aquilo era um treino.

Com inicio junto à Esquadra de Barcelos (claro), arrancamos para ver que o GPS emprestado do J. Almeida, só tinha para aí metade do trilho gravado, lá tivemos mais uma vez que confiar no GPS do BIKE17ECO, e nas minhas capacidades de navegador.

Terreno bom com alguns kms em estrada para aquecer até chegar ao ataque do 1.º objectivo, a serra de S. Mamede, com rampas que até a pé são difíceis de subir, quanto mais de bicicleta. Com a agravante, do piso estar completamente destruído e solto, á custa dos tipos do motocross, que como se não chegasse a poluição sonora, a poluição aérea ainda provocam a completa erosão dos solos. Andam uns a poupar na pegada ecológica (nós, o pessoal das bicicletas) e outros a poluir e a estragar tudo o que conseguirem.

Descida em singletrack, após o lanche e as fotos da praxe e imediatamente o ataque ao 2.º objectivo, Serra de S. Gonçalo, esta era a elevação mais alta que iríamos fazer, mas com bom piso (estradões em terra) fez-se num instante, embora o calor já começasse a apertar, o que deu logo motivos ao Trepador para tirar a camisola para mostrar os músculos, para impressionar quem passasse. No topo chegamos á conclusão que estava na hora de procurar um tasco qualquer para comer.

Bem, falou-se em tasco e em comer, foi descer a serra a mais de 40 km/h, até chegar á estrada principal, onde o J. Almeida, após um breve reconhecimento, encontrou a “Quintinha dos Petiscos”, onde pudemos parar e encher a blusa, frango para eles os dois e espetada mista para mim. Estava aqui o 3.º objectivo cumprido.

Após o almoço, com o calor que estava e de barriga cheia, nem para pedalar em plano, quanto mais para subir serras. Mas lá teve que ser, subida á serra do Facho, era a serra mais baixa que iríamos subir mas para mim foi a mais difícil, (porque terá sido?), mas ficou cumprido o 4.º objectivo. Por esta altura o Trepador já se começava a queixar de dores numa perna, mas nada que fosse impeditivo, por isso lá continuamos, pois ainda íamos a pouco mais de meio. Embora eu também já estivesse a acusar o cansaço juntamente com o calor e a falta de água, uma situação que foi recorrente durante todo o passeio pois em todas as serras por onde passamos existiam parques de merendas, mas torneiras ou bicas com água, é que nem vê-las, a sorte é que as igrejas e as capelas estavam fechadas, senão lá ia a água benta.

Após a descida e como já fazia falta a água, fomos procurar outro tasco, lá demos com uma mercearia, que deu para nos abastecermos de líquidos e alguma comida, mais um objectivo cumprido, desta vez o 5.º.

No inicio da subida à serra de Airó, o 6.º objectivo, ainda parei para rezar ao S. Pedro do Monte, mas acho que ele estava ocupado e não me ajudou grande coisa, eu pelo menos não senti ninguém a empurrar-me serra acima, pois bem falta me fazia. Devagar, devagarinho eu e o Trepador lá fomos subindo, com o Jorge a pirar-se, parece que a curunchice dele está a passar.

No Topo, o Trepador com a carunchice a atacar-lhe a perna, teve que desistir de fazer a última subida a da Serra da franqueira.

Mais uma vez com o auxílio do GPS do BIKE17ECO, mesmo com as tentativas frustradas de sabotagem por parte do representante ECOBIKE, marcamos destino imediato por estrada para a cidade de Barcelos, não sem antes parar para mais uma foto da praxe, junto à ponte antiga de Barcelos, onde o Jorge perdeu a “bolsinha” da máquina fotográfica no meio das silvas.

Já na cidade ainda parei para comprar um Galo de Barcelos (até parecia mal não o fazer) e como a fome já apertava (outra vez), também passei na barraca das farturas, para a seguir me deslocar novamente para junto da esquadra, onde tomamos banho, com o patrocínio da PSP de Barcelos.

No regresso lá tivemos que voltar às silvas procurar a “bolsinha” do Jorge, porque o menino gosta muito dela e não queria ir para casa sem a mesma. Teve sorte lá a encontramos.

Resumindo, o plano inicial eram 5 objectivos e cerca de 85 Km, fizemos 6 e cerca de 80 Kms, com um acumulado de 1860mts e 6H30 de pedalada.

Deu para ver que em Portalegre vou levar uma coça descomunal, e que provavelmente nem vou acabar dentro do controlo, mas lá estarei para o que der e vier.

Pedro "Trilhos"

Download do trilho dos 5 cumes

4.º BTT Rotas do Marão

domingo, 5 de abril de 2009



Pessoal...antão cá vai:

Eis que pelas 6h 45m me levanto com uma grande "moca" para ir fazer uma das coisas que mais gosto...Pedalar, se fosse para trabalhar passava o dia a resmungar, mas enfim, como quem corre por gosto não cansa...
Lá fomos então...digo fomos porque apenas 4 corajosos BTTistas se arriscaram a participar em mais uma prova do calendário Nacional de BTT...4º BTT Rotas do Marão em Amarante, O Trepador, o Trilhos, o Saca Saca e eu Santiago que ainda não tenho alcunha, mas até gostava de ter para poder fazer esta crónica á altura.

A prova teve inicio pelas 9h 05m na bonita cidade de Amarante mesmo ao lado da Igreja de S. Gonçalo, eis que lá fomos rolando uns km para aquecer, quando de repente entramos numa Herdade particular, foi quando começou realmente o "Cálvário" ...digo Calvário porque depois de uma semana no mecânico, a minha "burra" estava coxa, porque não havia subida que me saltasse a corrente e depois mesmo que quisesse fazer frente ao Trepador ao Trilhos e ao Saca Saca, não tinha qualquer hipotese.
La fomos rolando pelas bonitas paisagens do Marão, apreciando o Tâmega quando aos 10km não resisti e eis que necessito realmente de um mecânico para me salvar, é neste momento que o Trilhos com a sua chave de McGyver me salvou afinando as velocidades, foi aqui que tudo se resolveu, mas a dificuldade do percurso não dava tréguas, subir, subir, subir...era o lema da prova...nada que fosse impossível para o Trepador (canja)...de vez em quando eu lá dava um ar da minha graça mas não era fácil... km após quilometro lá fomos andando com muita vontade de apanhar a primeiro abastecimento, eis que chega e é aqui que as meninas responsáveis por nos abastecer, quase tiveram de fugir com os mantimentos porque o Trilhos quase acabava com o pão com chouriço... após um ligeiro repasto de pão com chouriço, sumo, laranjas e água...lá fomos mas o Trilhos ainda levava um pão na mão depois de já ter comido uns 25...
Entramos a partir daqui numa verdadeira aventura de descidas e subidas impróprias para veteranos como eu, mas eis que o Saca Saca estava na maior, numa das descidas quase ia parar dentro de uma ambulância que por ali estava parada, não fosse o mais arrojado ter uma acidente inesperado.
Na parte final e quando entramos em estrada para chegar à meta, eis que passam por nós os 2 primeiros corredores da Maratona...ainda tentamos acompanha-los, mas levavam motor e assim não é justo, desistimos porque nós apenas corremos com as nossas perninhas e caixa de ar...
Acabamos a prova todos juntos de boa saúde, alegres e felizes porque não houve acidentes, furos ou outras avarias de maior...apenas o cansaço que já era evidente em todos nós.
Lamentavelmente não encontramos ninguem da ECOBIKE para podermos diferenciar-nos, assim ficamos mais relaxados e chegamos no 1º terço à meta, senão teriamos chegado nos 4 primeiros...
Abraço a todos e boas pedaladas.
Santiago

TEMPOS

Download do Trilho da meia maratona

Justiça de Fafe



Fazendo jus ao Título desta crónica, venho aqui manifestar o excelente bom gosto e profissionalismo da malta do - BTT FAFE - na divulgação da prova para este ano de 2009, apresentando na sua newsletter um cartaz da edição do ano anterior - em que eu e o Trilhos pelo BIKE17ECO e o Vitokourov em representação da Ecobike participamos, cuja crónica consta dos respectivos Blogues.
Como podem constatar pelas fotografias, salienta-se a extrema qualidade, nível atlético e fotogenia dos Betetistas intervenientes - a não ser talvez um xouriço de amarelo que está a fazer de emplastro...

LENDA DA JUSTIÇA DE FAFE




















Trepador